11 erros sobre a segurança do bebê

A partir do momento em que as crianças nascem, a responsabilidade de cuidar da saúde, bem-estar e integridade física delas passa a ser de seus pais — é importante ter em mente que bebês são sensíveis, frágeis e indefesos.

Infelizmente, eles estão bastante expostos a riscos e, muitas vezes, os perigos não são tão aparentes, o que pode criar armadilhas no próprio dia a dia da família. Daí a necessidade dos papais e mamães redobrarem a atenção em relação à segurança dos pequenos.

Quer saber quais são os principais erros que podem ameaçar a segurança do seu bebê? Então continue lendo o nosso artigo e fuja deles a todo custo. Vem com a gente!

Usar protetores de berço e cobertores grossos

Os protetores de berço realmente são fofos e cumprem um papel decorativo no quarto da criança, mas de acordo com a Sociedade Americana de Pediatria, os bebês podem entrar debaixo do protetor e serem sufocados pelo tecido. Se você não abrir mão do protetor, opte por modelos mais fininhos. Quanto aos cobertores, prefira os mais leves e tome cuidado na hora de cobrir o bebê, cubra-o apenas até a altura do peito e mantenha os bracinhos para fora da coberta.

Colocar objetos macios no berço

No intuito de acertar e deixar a hora do soninho mais aconchegante, alguns pais colocam pelúcias, almofadas, rolinhos e enfeites macios dentro do berço. Embora aparentemente inofensivo, esse é um erro grave. Quanto mais livre estiver o berço, mais seguro e confortável será o sono do bebê, pois o risco de sufocação diminui bastante. No caso de crianças mais crescidinhas, a ausência desses objetos também ajuda a prevenir quedas, já que a criança não poderá fazer uma pilha de almofadas e bichinhos para escalar o móvel.

Deixar os móbiles ao alcance do bebê

Os móbiles são lindos e ajudam a entreter os bebês, mas à medida que a criança for crescendo, a altura do móbile deve ser ajustada. É um erro deixá-lo ao alcance do bebê, pois quando ele alcança o móbile, o enfeite pode cair e machucá-lo. Além disso, a criança pode se engasgar com partes pequenas que, eventualmente, venham a se desprender.

Não respeitar a faixa etária indicativa dos brinquedos

Quando for comprar brinquedos para o seu filho ou até mesmo quando ele ganhar brinquedos de terceiros, observe a faixa indicativa, pois utilizar um brinquedo destinado a crianças maiores, coloca a segurança dele em risco. Como as crianças pequenas costumam não só tatear, mas também colocar os objetos na boca, eles podem engasgar com peças pequenas e soltas. Além disso, alguns brinquedos elaborados para crianças maiores podem conter alguma toxidade na tinta, que para os mais velhos não causa danos, mas para os mais novos, pode representar um risco. Além da faixa etária, cheque se o brinquedo possui o selo do INMETRO.

Comprar andador para o bebê

No intuito de fazer com que o bebê aprenda a andar rápido, alguns pais ainda utilizam bastante o andador. No entanto, esse acessório não é recomendado pelos pediatras brasileiros. Além de alcançar certa velocidade e favorecer as quedas, ele não favorece a postura da criança, prejudica a formação dos ossos, e ainda pode fazer com que a criança prenda o dedinho na parede e fazendo com que ele fique completamente inseguro para dar os primeiros passos sozinho. Cada coisa a seu tempo! Seu filho vai andar na hora certa e com o seu suporte. É mais seguro e saudável assim!

Dormir junto com o bebê na cama

Levar o bebê para dormir na cama dos pais é uma falha gravíssima de segurança! É comum que, para que não tenham que levantar durante a madrugada, os pais coloquem o filho recém-nascido para dormir com eles na cama do casal. Além de prejudicar a vida a dois, essa prática ameaça a integridade física da criança, já que os pais podem rolar e sufocá-lo. O ideal é que, desde o início, os bebês tenham o próprio cantinho, que sejam criados tanto uma rotina como hábitos na hora de dormir.

Deixar objetos pequenos ou cortantes em locais acessíveis

Manter moedas, alfinetes, enfeites de cabelo, bibelôs e outros objetos pequenos ao alcance da criança pode ocasionar acidentes sérios, como engasgos fatais que venham a obstruir a respiração. Quanto menor for o objeto, mais alto deve ser o local para guardá-lo. Fica a dica! Em relação a facas, alicates e outros objetos cortantes, a regra é a mesma: guardar em lugares inacessíveis para o bebê.

Manter as piscinas e janelas desprotegidas

Com bebês de colo não há grandes problemas em deixar janelas e piscinas descobertas, mas a partir do momento em que a criança começa a engatinhar, os riscos aumentam — é um erro não colocar tela de proteção em janelas e piscinas. As janelas favorecem as quedas e as piscinas livres podem provocar afogamentos. Lembrando que as crianças podem se afogar com até 2 cm de água, portanto, mesmo a água dos baldes, banheiras e privadas representam riscos para os pequenos.

Colocar o bebê para dormir em posição inadequada

Durante muito tempo, os pais colocavam os bebês para dormir de bruços, por acharem que essa era a posição mais segura. Depois de muitas pesquisas, especialistas chegaram à conclusão de que o melhor para o bebê é dormir de barriga para cima, pois essa posição evita a temida morte súbita em crianças. Mesmo assim, há pais que insistem em posições inadequadas, ameaçando a segurança e bem-estar dos seus filhos.

Instalar a cadeirinha incorretamente

Mesmo com o manual em mãos, existem pais que erram ao instalar a cadeirinha do bebê no carro. Faça essa instalação com calma, de preferência, logo após a compra, com o auxílio da própria loja. Vale lembrar que antes de um ano de idade ou até a criança completar 10 kg, o mais indicado é que a cadeirinha fique virada para a parte traseira do carro. Ao usar a cadeirinha, não esqueça de colocar o cinto de segurança corretamente. O mesmo vale para o cinto de segurança do carrinho de passeio!

Não pensar na segurança das roupas

Outro erro comum é não se atentar à segurança das roupinhas. Muitos pais olham a beleza e conforto, mas desconsideram que até mesmo as roupas podem colocar a segurança dos pequenos em risco. Evite, por exemplo, peças com botões e apliques que se soltem com facilidade, roupas com cordões longos, capuz grande, golas apertadas, etc.

E aí, gostou do nosso artigo? Já cometeu algum desses erros de segurança? Conhece outras falhas que não foram citadas? Compartilhe com a gente!

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *