Como curar a cólica do bebê?

O seu bebê está chorando faz um tempo com grande intensidade e sem parar. Você já o trocou, já o alimentou, já o agasalhou, já o ninou e nada do chorinho cessar. É um choro tão forte que sinaliza dor, sinaliza que algo não vai bem, sinaliza a incômoda cólica.

Quando nenhum outro motivo justifica o desconforto e o choro estridente, provavelmente o bebê está passando por uma crise de cólicas — vale destacar que as dores abdominais são bastante comuns nos primeiros meses de vida da criança, afinal, o sistema digestivo dos recém-nascidos ainda é bem imaturo. Geralmente, tais crises ocorrem no final da tarde ou à noite, fazendo com que o abdome do pequeno contraia, provocando dor e desconforto.

A boa notícia é que há uma série de técnicas e estratégias para mamães e papais adotarem a fim de aliviar a cólica do bebê. Veja a seguir o que fazer se o seu filho estiver com cólica!

Preste atenção à sua alimentação

Essa dica é exclusiva para as mamães que ainda estão amamentando, afinal, o que elas comem acaba interferindo diretamente na saúde e qualidade de vida dos bebês. A dieta da mãe é um dos fatores causadores de cólicas nas crianças, por isso, deve-se evitar alimentos industrializados ricos em estabilizantes, corantes e conservantes, pois eles dificultam o processo de digestão das crianças.

Massageie a barriga do bebê suavemente

Um dos métodos mais antigos e eficazes para aliviar a cólica e diminuir o desconforto dos bebês é massagear suavemente a barriguinha deles ao primeiro sinal de dor. Com as mãos em forma de concha, faça movimentos lentos e circulares no sentido horário. Deslize uma mão de cada vez, partindo inicialmente da base das costelas em direção à parte baixa do abdome. O toque deve ser sutil e a pressão suave, pois estamos falando de bebês e eles são muito sensíveis.

Deite o bebê e movimente as perninhas dele

Coloque o bebê deitado e lentamente dobre os joelhos dele para que as coxas pressionem levemente a barriga. Feito isso, estenda as pernas da criança e simule movimentos de pedalada. Esse recurso pode ser usado não apenas na hora da dor, mas repetido durante o dia para evitar as cólicas.

Dê um banho quente na criança

Outro método que tende a funcionar é dar um banho quente no baby. Prepare cuidadosamente um banho de imersão e regule a temperatura em torno de 36ºC, no máximo 37ºC. O ambiente deve ser tranquilo e relaxante, de preferência, totalmente silencioso ou com uma música suave, mas jamais tumultuado. Diminua a luz do espaço e converse delicadamente com o pequeno para acalmá-lo. A água quente combinada a esse clima reconfortante vai tranquilizar o bebê, relaxá-lo e fazer a cólica ceder.

Faça uma compressa morna sobre o abdome do bebê

Se os métodos acima não funcionarem, recorra às compressas mornas. Você pode passar uma fralda de tecido a ferro e colocá-la morna sobre a barriga da criança. Se preferir, use uma bolsa térmica durante alguns minutos. O calor vindo da compressa promove a vasodilatação, favorece o fluxo sanguíneo e faz com que a musculatura abdominal relaxe, diminuindo assim o desconforto. Tome cuidado apenas com a temperatura para não queimar ou machucar o seu bebê.

Enrole o bebê no cueiro

Essa técnica também é bem antiga e eficiente. Quando o bebê estiver chorando sem parar por causa das cólicas, enrole-o como um pacotinho ou charutinho. Use o cueiro para envolvê-lo, pois isso diminui a agitação e irritabilidade do pequeno. Você pode deixá-lo quietinho e ficar apenas observando ou caminhar com ele pela casa até que ele se acalme completamente.

Estabeleça um contato pele a pele

Muitas vezes o simples contato pele a pele acalma e acolhe o bebê. A criança pode ser colocada de bruços sobre o peito da mamãe ou do papai. Essa posição facilita a saída dos gazes que agravam a cólica. O quartodeve estar preferencialmente quentinho, o bebê deve estar apenas de fralda e o peito dos pais deve estar descoberto para promover o aconchego completo e transmitir total segurança através do contato pele a pele.

Previna os gases

Quando o bebê mama, ele engole uma considerável quantidade de ar. Isso contribui para a produção de gases que agravam a cólica, portanto, é fundamental preveni-los para evitar as dores abdominais. Depois de cada mamada, faça o bebê arrotar e expelir o ar que foi engolido na amamentação.

Ofereça o peito para o bebê

Muitos bebês se acalmam quando recebem o leite materno. Isso ocorre porque mesmo que a razão do choro não seja fome, o contato com a mãe e a estimulação oral promovida pela sucção satisfazem a criança, relaxam e ajudam a amenizar a cólica. No entanto, não recorra a essa estratégia se o beber recusar repetidamente a mamada ou se ele tiver acabado de mamar.

Medique de acordo com a orientação médica

Depois de tentar várias manobras, sem sucesso, medique a criança, claro, com orientação do pediatra. Existem analgésicos infantis e medicamentos contra a flatulência que podem ser dados aos pequenos, mas somente em último caso e apenas na hora da cólica, pois esses remédios não possuem caráter preventivo e, além disso, contam com contraindicações e efeitos colaterais. Nada de dar medicamentos toda vez que a criança chorar por conta da cólica, entendido?

No mais, mantenha a calma e retire-se de cena quando for necessário. Algumas crises de cólicas duram horas e isso acaba estressando as mães, gerando tensão e preocupação. Para que esses sentimentos negativos não sejam percebidos pela criança e não prejudiquem a aplicação correta dos métodos anticólicas, a mamãe deve sair de cena e deixar o papai ou vovó assumirem o controle temporariamente. Depois de um tempo, já mais calma e aliviada, ela pode voltar e tentar outros recursos para aliviar as dores abdominais do seu pequeno. Lembre-se que para oferecer o melhor para as crianças, pais e mães também precisam estar bem fisicamente e mentalmente.

E aí, gostou das nossas dicas? Achou úteis os métodos anticólicas compartilhados aqui? Já utilizou algum desses? Conhece alguma outra estratégia para aliviar a cólica do bebê? Compartilhe sua experiência e dicas com a gente!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *