11 erros sobre a segurança do bebê

A partir do momento em que as crianças nascem, a responsabilidade de cuidar da saúde, bem-estar e integridade física delas passa a ser de seus pais — é importante ter em mente que bebês são sensíveis, frágeis e indefesos.

Infelizmente, eles estão bastante expostos a riscos e, muitas vezes, os perigos não são tão aparentes, o que pode criar armadilhas no próprio dia a dia da família. Daí a necessidade dos papais e mamães redobrarem a atenção em relação à segurança dos pequenos.

Quer saber quais são os principais erros que podem ameaçar a segurança do seu bebê? Então continue lendo o nosso artigo e fuja deles a todo custo. Vem com a gente!

Usar protetores de berço e cobertores grossos

Os protetores de berço realmente são fofos e cumprem um papel decorativo no quarto da criança, mas de acordo com a Sociedade Americana de Pediatria, os bebês podem entrar debaixo do protetor e serem sufocados pelo tecido. Se você não abrir mão do protetor, opte por modelos mais fininhos. Quanto aos cobertores, prefira os mais leves e tome cuidado na hora de cobrir o bebê, cubra-o apenas até a altura do peito e mantenha os bracinhos para fora da coberta.

Colocar objetos macios no berço

No intuito de acertar e deixar a hora do soninho mais aconchegante, alguns pais colocam pelúcias, almofadas, rolinhos e enfeites macios dentro do berço. Embora aparentemente inofensivo, esse é um erro grave. Quanto mais livre estiver o berço, mais seguro e confortável será o sono do bebê, pois o risco de sufocação diminui bastante. No caso de crianças mais crescidinhas, a ausência desses objetos também ajuda a prevenir quedas, já que a criança não poderá fazer uma pilha de almofadas e bichinhos para escalar o móvel.

Deixar os móbiles ao alcance do bebê

Os móbiles são lindos e ajudam a entreter os bebês, mas à medida que a criança for crescendo, a altura do móbile deve ser ajustada. É um erro deixá-lo ao alcance do bebê, pois quando ele alcança o móbile, o enfeite pode cair e machucá-lo. Além disso, a criança pode se engasgar com partes pequenas que, eventualmente, venham a se desprender.

Não respeitar a faixa etária indicativa dos brinquedos

Quando for comprar brinquedos para o seu filho ou até mesmo quando ele ganhar brinquedos de terceiros, observe a faixa indicativa, pois utilizar um brinquedo destinado a crianças maiores, coloca a segurança dele em risco. Como as crianças pequenas costumam não só tatear, mas também colocar os objetos na boca, eles podem engasgar com peças pequenas e soltas. Além disso, alguns brinquedos elaborados para crianças maiores podem conter alguma toxidade na tinta, que para os mais velhos não causa danos, mas para os mais novos, pode representar um risco. Além da faixa etária, cheque se o brinquedo possui o selo do INMETRO.

Comprar andador para o bebê

No intuito de fazer com que o bebê aprenda a andar rápido, alguns pais ainda utilizam bastante o andador. No entanto, esse acessório não é recomendado pelos pediatras brasileiros. Além de alcançar certa velocidade e favorecer as quedas, ele não favorece a postura da criança, prejudica a formação dos ossos, e ainda pode fazer com que a criança prenda o dedinho na parede e fazendo com que ele fique completamente inseguro para dar os primeiros passos sozinho. Cada coisa a seu tempo! Seu filho vai andar na hora certa e com o seu suporte. É mais seguro e saudável assim!

Dormir junto com o bebê na cama

Levar o bebê para dormir na cama dos pais é uma falha gravíssima de segurança! É comum que, para que não tenham que levantar durante a madrugada, os pais coloquem o filho recém-nascido para dormir com eles na cama do casal. Além de prejudicar a vida a dois, essa prática ameaça a integridade física da criança, já que os pais podem rolar e sufocá-lo. O ideal é que, desde o início, os bebês tenham o próprio cantinho, que sejam criados tanto uma rotina como hábitos na hora de dormir.

Deixar objetos pequenos ou cortantes em locais acessíveis

Manter moedas, alfinetes, enfeites de cabelo, bibelôs e outros objetos pequenos ao alcance da criança pode ocasionar acidentes sérios, como engasgos fatais que venham a obstruir a respiração. Quanto menor for o objeto, mais alto deve ser o local para guardá-lo. Fica a dica! Em relação a facas, alicates e outros objetos cortantes, a regra é a mesma: guardar em lugares inacessíveis para o bebê.

Manter as piscinas e janelas desprotegidas

Com bebês de colo não há grandes problemas em deixar janelas e piscinas descobertas, mas a partir do momento em que a criança começa a engatinhar, os riscos aumentam — é um erro não colocar tela de proteção em janelas e piscinas. As janelas favorecem as quedas e as piscinas livres podem provocar afogamentos. Lembrando que as crianças podem se afogar com até 2 cm de água, portanto, mesmo a água dos baldes, banheiras e privadas representam riscos para os pequenos.

Colocar o bebê para dormir em posição inadequada

Durante muito tempo, os pais colocavam os bebês para dormir de bruços, por acharem que essa era a posição mais segura. Depois de muitas pesquisas, especialistas chegaram à conclusão de que o melhor para o bebê é dormir de barriga para cima, pois essa posição evita a temida morte súbita em crianças. Mesmo assim, há pais que insistem em posições inadequadas, ameaçando a segurança e bem-estar dos seus filhos.

Instalar a cadeirinha incorretamente

Mesmo com o manual em mãos, existem pais que erram ao instalar a cadeirinha do bebê no carro. Faça essa instalação com calma, de preferência, logo após a compra, com o auxílio da própria loja. Vale lembrar que antes de um ano de idade ou até a criança completar 10 kg, o mais indicado é que a cadeirinha fique virada para a parte traseira do carro. Ao usar a cadeirinha, não esqueça de colocar o cinto de segurança corretamente. O mesmo vale para o cinto de segurança do carrinho de passeio!

Não pensar na segurança das roupas

Outro erro comum é não se atentar à segurança das roupinhas. Muitos pais olham a beleza e conforto, mas desconsideram que até mesmo as roupas podem colocar a segurança dos pequenos em risco. Evite, por exemplo, peças com botões e apliques que se soltem com facilidade, roupas com cordões longos, capuz grande, golas apertadas, etc.

E aí, gostou do nosso artigo? Já cometeu algum desses erros de segurança? Conhece outras falhas que não foram citadas? Compartilhe com a gente!

 

5 dicas para comprar roupas importadas para bebê

Comprar roupas importadas para bebês é uma das tarefas mais divertidas da maternidade. Sim! Vestir os pequenos e deixá-los ainda mais fofos dá muito prazer às mamães. São tantas coisas lindas disponíveis no mercado, que encher as sacolas com peças infantis fica muito fácil!

Nesse universo, há lindas roupas de marcas nacionais, mas existem também as incomparáveis peças importadas que, além de diferenciadas em termos de modelos e materiais, são confortáveis, duráveis e oferecem um ótimo custo-benefício.

As roupas infantis importadas normalmente possuem um padrão de qualidade inquestionável e o estilo não falta nas peças gringas. Uma é mais linda que a outra, a ponto de fazer qualquer mamãe babar.

Vestido de festa infantil
Vestido de festa infantil

Apesar das incontáveis vantagens de adquirir peças importadas, será que com o dólar em alta, comprar roupinhas de marcas internacionais continua sendo um bom negócio? Continua sim, desde que você adote medidas estratégicas para acertar nas compras. Quer saber que medidas são essas? Então veja nossas dicas para comprar roupas importadas para seu bebê.

Planeje suas compras e mantenha o foco

Para não comprar itens desnecessários, planeje as compras de roupinhas importadas com antecedência. Leve em consideração as peças que seu filho já tem, faça uma lista com as que o bebê está precisando e procure limitar as aquisições aos itens predefinidos. Só faça concessões se a oferta for realmente vantajosa ou se você lembrar de alguma coisa que não foi colocada na lista por esquecimento.

Embora as peças importadas possuam preços acessíveis, é importante manter o foco e evitar as compras por impulso. Antes de comprar uma roupa importada, pergunte a si mesma se aquele item combina com seu filho, se a roupa serve na criança, se há ocasiões oportunas para usá-la, se há espaço suficiente para guardar, se ela já não tem uma roupa muito parecida e por aí vai. Essa postura vai te ajudar a adotar um consumo consciente e eficiente.

Considere o tamanho das peças

Outro ponto importante na compra de roupas importadas para bebê é considerar o tamanho das peças. Se você comprar as roupinhas em lojas físicas no exterior, atente-se às etiquetas e seções.

Se seu filho estiver para nascer, for recém-nascido ou tiver até 9 meses, visite a seção Newborn. Crianças de 9 a 24 meses vestem roupas da seção Infant. De 2 a 4 anos, procure a seção Toddler. Dos 4 ao 7 anos, a seção recomendada é a Kids. E garotas e garotos acima de 7 anos encontram suas roupas nas sessões boys sizes e girls sizes.

Em relação aos tamanhos, a equivalência é a seguinte:

  • 2-3 nos EUA equivale a tamanho 2 no Brasil
  • 4-5 nos EUA equivale a tamanho 4 no Brasil
  • 6-7 nos EUA equivale a tamanho 6 no Brasil
  • 8-9 nos EUA equivale a tamanho 8 no Brasil

Ao escolher roupas importadas para seus filhos, tenha sempre em mente que crianças crescem rápido, portanto, evite comprar roupas muito justas ou curtas, pois elas vão acabar sendo pouco aproveitadas. As roupas tamanho RN, por exemplo, possivelmente não caberão mais no seu baby já nas primeiras semanas de vida. Para não errar na escolha, respeite as faixas indicativas de idade, mas considere também o tamanho e peso do seu bebê, pois é comum que crianças de 3 meses já vistam roupinhas de 6 meses tranquilamente.

Conjunto chique infantil feminino
Conjunto chique infantil feminino

Compre roupas importadas online

Nas lojas virtuais nacionais, a compra de roupas importadas é mais simples, pois os tamanhos já estão convertidos para o tamanho Brasileiro, o que facilita a escolha e evita erros. Ainda assim, se depois de provar o produto, a mamãe resolver trocar por um maior ou menor, a troca pode ser realizada.

Além das facilidades no que diz respeito ao tamanho, as lojas virtuais trazem mais praticidade e conveniência, já que nem todo mundo pode viajar para o exterior para comprar roupas importadas. Nesse caso, é possível pesquisar e comparar preços sem bater perna, a compra é feita em alguns cliques, você economiza gastos com passagem, evita despesas extras com tarifas alfandegárias e recebe a encomenda rapidamente e no conforto do seu lar.

Em compras virtuais, é indispensável optar por lojas confiáveis, que tenham selos indicativos de segurança e possuam uma boa reputação junto aos consumidores. Aproveite para analisar as formas de pagamento possíveis e checar as políticas de troca e entrega. Antes de comprar, certifique-se que há o produto em estoque, pois algumas lojas trabalham com encomendas e o envio pode ultrapassar 45 dias. Dê preferência a lojas que ofereçam roupinhas importadas a pronta-entrega, assim você evita a ansiedade excessiva.

e-Roupas de Bebê é uma ótima alternativa para quem quer comprar online as roupinhas do bebê, de maneira segura, rápida e garantida.

Vestido para bebê de festa infantil
Vestido para bebê de festa infantil

Observe o material e a praticidade da peça

Algumas roupas de bebês são lindas, mas nada práticas e confortáveis. Cheias de botões, cordões e aplicações, tornam-se difíceis de lavar, passar e conservar. Na hora da compra de roupinhas importadas, dê preferência a peças de fácil conservação, que sejam confeccionadas com materiais duráveis e confortáveis, a exemplo do algodão.

Aproveite para conferir a etiqueta com as especificações de lavagem e se certificar de que o tecido é hipoalérgico, macio e resistente a problemas, como as indesejáveis bolinhas. Se a compra for feita online, leia a descrição do produto atentamente e, caso seja necessário, esclareça suas dúvidas através do chat ou SAC.

Pense na economia quando for às compras

Por fim, procure economizar. Pesquise e compare preços, se estiver comprando no exterior, converta o dólar para real, busque promoções e cupons de descontos, calcule o frete os impostos, evite as aquisições por impulso e cogite a possibilidade de comprar marcas importadas em lojas virtuais nacionais.

Para completar, pense no custo-benefício dos produtos, evite fazer estoques de roupas do mesmo tamanho, leve em consideração as formas de pagamento e dê preferência a roupinhas bonitas e resistentes, afinal, comprar roupas de má qualidade é assumir o risco de jogar dinheiro fora.

E aí, você gostou das nossas dicas de como comprar peças importadas de vestuário? Vai colocá-las em prática para comprar lindas roupinhas importadas para o seu bebê? Já comprou roupas gringas alguma vez? Tem outras dicas interessantes para compartilhar? Comente!

Segurança do bebê: veja algumas precauções

Manter a segurança do bebê e das crianças pequenas em casa deve ser prioridade para todas as mamães. Apesar de todo o esforço, no entanto, há descuidos que podem colocar em risco o bem-estar dos pequenos , mesmo dentro do conforto do lar. Virar o cabo da panela para dentro enquanto estiver cozinhando, usar protetores de porta e instalar telas de proteção nas janelas são alguns cuidados que deixam sua casa mais segura.

No post de hoje, veja algumas precauções para manter a segurança do bebê:

Banheiro: criança sozinha é perigo na certa

Em hipótese alguma deixe sozinho no banheiro ou no banho. Como o peso da cabeça é proporcionalmente maior do que o corpo quando o bebê é novinho, é importante não deixá-lo sozinho nem por um instante: ele pode se debruçar em algum local e cair por causa do peso da cabeça.

No banho, o cuidado também deve ser redobrado: dez segundos são suficientes para o bebê ficar submerso e a consciência pode ser perdida em dois minutos. Evite acidentes enchendo a banheira apenas o suficiente para cobrir as pernas do bebê, use tapetes antiderrapantes no fundo e sempre use água morna, e não quente, durante o banho. Para evitar acesso ao vaso, aposte em lacres de privada, que são fáceis de instalar e não deixam a criança abrir a tampa.

Área de serviço exige atenção especial

Um dos cantos da casa mais perigosos para bebês com menos de dois anos, a área de serviço exige cuidados especiais. Baldes, por exemplo, devem permanecer sempre vazios: mesmo apenas 2,5 centímetros de água trazem riscos de afogamento. Produtos de limpeza também são armadilhas para a segurança dos pequenos. Coloridos, podem ser confundidos com brinquedos ou bebidas, como sucos e o primeiro impulso das crianças é experimentá-los. Não corra esse risco deixando produtos como água sanitária, desinfetante e afins em um armário fechado, devidamente trancado ou situado em um lugar alto e fora do alcance.

Cuidado redobrado na cozinha

Caso seu pequeno já ande, é importante redobrar o cuidado com a cozinha. Se estiver cozinhando, certifique-se de que os cabos das panelas estão virados para dentro e não corra o risco do seu filho puxá-lo. Utensílios com fio ou ponte, como tesouras e facas, também devem ser mantidos em um lugar seguro, fora do alcance do pequeno. Adotar puxa-sacos pode ser importante para evitar que o bebê tenha acesso a objetos de plástico e corra o risco de morrer por sufocamento. A lata de lixo deve ficar em um lugar de difícil acesso ou, então, dê preferência para modelos que dificultem que a criança a abra.

Nada de toalhas compridas na sala de jantar

Quem tem filho pequeno deve evitar a todo custo toalhas compridas na mesa de jantar. Crianças são naturalmente curiosas, ativas e costumam se apoiar em tudo para se equilibrar. Por isso, há o risco de puxarem a toalha e derrubar tudo o que estiver em cima dela, como alimentos, copos, pratos, etc. Uma medida preventiva é optar por toalhas curtas ou, ainda melhor, jogos americanos.

Evite problemas com a eletricidade

Infelizmente, choques elétricos são problemas comuns na vida de quem tem filho pequeno. Evite que isso aconteça com seu bebê cobrindo as tomadas da casa com protetores. Além disso, fios elétricos nunca devem ficar à mostra: use os móveis como proteção e esconda-os atrás deles. Secadores de cabelo, sanduicheiras e afins devem ficar sempre fora da tomada e guardados longe do alcance da criança. Fios elétricos desencapados devem ser consertados imediatamente.

Para segurança do bebê, previna quedas

Quem tem filho pequeno não deve nem hesitar: instale já telas de proteção em janelas e varandas. Previna-se contra quedas nunca deixando o bebê sozinho em cima do sofá, trocador, cama ou qualquer superfície alta. Escadas exigem atenção redobrada: use portões de segurança no topo e na base e, caso ela seja aberta na lateral, instale grades ou redes de proteção.

Cuidados na arrumação do berço

Até mesmo a organização do quarto e a escolha do berço exigem alguns cuidados em nome da segurança do bebê. Acessórios muito volumosos, como almofadas e bichos de pelúcia grandes, devem ser evitados. Brinquedos, aliás, devem ser retirados quando a criança estiver dormindo. Se o bebê já conseguir ficar de quatro, tire os móbiles e outros itens que estejam pendurados para evitar que ele os puxe. Se o pequeno já estiver na fase de tentar se levantar, o estrado do berço deve ser abaixado ao máximo.

Dedos presos na porta

Um dos acidentes domésticos mais comuns em famílias com crianças pequenas é o famoso dedo preso na porta. Evite que isso aconteça com seu bebê usando protetores em espuma ou em borracha para evitar que as portas fechem e prendam o dedo da criança. Enquanto não providenciar o protetor, é possível prender um tecido nas maçanetas para impedir a porta de fechar, evitando acidentes e idas ao pronto-socorro.

Atenção aos móveis

A regra aqui é segurança em primeiro lugar, estética em segundo. É a segurança do seu bebê que está em jogo!

  • Móveis altos e pesados devem sempre estar firmes para não correr o risco da criança puxá-los e eles caírem em cima dela;
  • Na hora de escolher um móvel, dê preferência aos que tenham gavetas com trava. Essa é a garantia de que elas não se soltarão se forem puxadas;
  • Estante deve sempre estar parafusada às paredes para não cair;
  • Aparelhos pesados, como som e TV, devem ficar, de preferência, em móveis baixos. Evite ainda que eles fiquem perto da borda para não caírem;
  • Luminárias ficam melhor atrás de móveis, como cadeiras e sofás, para não serem derrubadas pelos pequenos (ou até mesmo pelo vento).

Para manter a segurança do bebê, é importante analisar a casa como um todo e fazer todas as modificações necessárias no ambiente para ter certeza de que seu lar doce lar não oferece perigos o seu bebê. Além disso, não deixar o pequeno sozinho e estar sempre atenta aos seus movimentos é outro ponto importante para prevenir acidentes.

Tem mais alguma dica para compartilhar em relação à segurança do bebê? Deixe nos comentários!