Segurança do bebê: veja algumas precauções

Manter a segurança do bebê e das crianças pequenas em casa deve ser prioridade para todas as mamães. Apesar de todo o esforço, no entanto, há descuidos que podem colocar em risco o bem-estar dos pequenos , mesmo dentro do conforto do lar. Virar o cabo da panela para dentro enquanto estiver cozinhando, usar protetores de porta e instalar telas de proteção nas janelas são alguns cuidados que deixam sua casa mais segura.

No post de hoje, veja algumas precauções para manter a segurança do bebê:

Banheiro: criança sozinha é perigo na certa

Em hipótese alguma deixe sozinho no banheiro ou no banho. Como o peso da cabeça é proporcionalmente maior do que o corpo quando o bebê é novinho, é importante não deixá-lo sozinho nem por um instante: ele pode se debruçar em algum local e cair por causa do peso da cabeça.

No banho, o cuidado também deve ser redobrado: dez segundos são suficientes para o bebê ficar submerso e a consciência pode ser perdida em dois minutos. Evite acidentes enchendo a banheira apenas o suficiente para cobrir as pernas do bebê, use tapetes antiderrapantes no fundo e sempre use água morna, e não quente, durante o banho. Para evitar acesso ao vaso, aposte em lacres de privada, que são fáceis de instalar e não deixam a criança abrir a tampa.

Área de serviço exige atenção especial

Um dos cantos da casa mais perigosos para bebês com menos de dois anos, a área de serviço exige cuidados especiais. Baldes, por exemplo, devem permanecer sempre vazios: mesmo apenas 2,5 centímetros de água trazem riscos de afogamento. Produtos de limpeza também são armadilhas para a segurança dos pequenos. Coloridos, podem ser confundidos com brinquedos ou bebidas, como sucos e o primeiro impulso das crianças é experimentá-los. Não corra esse risco deixando produtos como água sanitária, desinfetante e afins em um armário fechado, devidamente trancado ou situado em um lugar alto e fora do alcance.

Cuidado redobrado na cozinha

Caso seu pequeno já ande, é importante redobrar o cuidado com a cozinha. Se estiver cozinhando, certifique-se de que os cabos das panelas estão virados para dentro e não corra o risco do seu filho puxá-lo. Utensílios com fio ou ponte, como tesouras e facas, também devem ser mantidos em um lugar seguro, fora do alcance do pequeno. Adotar puxa-sacos pode ser importante para evitar que o bebê tenha acesso a objetos de plástico e corra o risco de morrer por sufocamento. A lata de lixo deve ficar em um lugar de difícil acesso ou, então, dê preferência para modelos que dificultem que a criança a abra.

Nada de toalhas compridas na sala de jantar

Quem tem filho pequeno deve evitar a todo custo toalhas compridas na mesa de jantar. Crianças são naturalmente curiosas, ativas e costumam se apoiar em tudo para se equilibrar. Por isso, há o risco de puxarem a toalha e derrubar tudo o que estiver em cima dela, como alimentos, copos, pratos, etc. Uma medida preventiva é optar por toalhas curtas ou, ainda melhor, jogos americanos.

Evite problemas com a eletricidade

Infelizmente, choques elétricos são problemas comuns na vida de quem tem filho pequeno. Evite que isso aconteça com seu bebê cobrindo as tomadas da casa com protetores. Além disso, fios elétricos nunca devem ficar à mostra: use os móveis como proteção e esconda-os atrás deles. Secadores de cabelo, sanduicheiras e afins devem ficar sempre fora da tomada e guardados longe do alcance da criança. Fios elétricos desencapados devem ser consertados imediatamente.

Para segurança do bebê, previna quedas

Quem tem filho pequeno não deve nem hesitar: instale já telas de proteção em janelas e varandas. Previna-se contra quedas nunca deixando o bebê sozinho em cima do sofá, trocador, cama ou qualquer superfície alta. Escadas exigem atenção redobrada: use portões de segurança no topo e na base e, caso ela seja aberta na lateral, instale grades ou redes de proteção.

Cuidados na arrumação do berço

Até mesmo a organização do quarto e a escolha do berço exigem alguns cuidados em nome da segurança do bebê. Acessórios muito volumosos, como almofadas e bichos de pelúcia grandes, devem ser evitados. Brinquedos, aliás, devem ser retirados quando a criança estiver dormindo. Se o bebê já conseguir ficar de quatro, tire os móbiles e outros itens que estejam pendurados para evitar que ele os puxe. Se o pequeno já estiver na fase de tentar se levantar, o estrado do berço deve ser abaixado ao máximo.

Dedos presos na porta

Um dos acidentes domésticos mais comuns em famílias com crianças pequenas é o famoso dedo preso na porta. Evite que isso aconteça com seu bebê usando protetores em espuma ou em borracha para evitar que as portas fechem e prendam o dedo da criança. Enquanto não providenciar o protetor, é possível prender um tecido nas maçanetas para impedir a porta de fechar, evitando acidentes e idas ao pronto-socorro.

Atenção aos móveis

A regra aqui é segurança em primeiro lugar, estética em segundo. É a segurança do seu bebê que está em jogo!

  • Móveis altos e pesados devem sempre estar firmes para não correr o risco da criança puxá-los e eles caírem em cima dela;
  • Na hora de escolher um móvel, dê preferência aos que tenham gavetas com trava. Essa é a garantia de que elas não se soltarão se forem puxadas;
  • Estante deve sempre estar parafusada às paredes para não cair;
  • Aparelhos pesados, como som e TV, devem ficar, de preferência, em móveis baixos. Evite ainda que eles fiquem perto da borda para não caírem;
  • Luminárias ficam melhor atrás de móveis, como cadeiras e sofás, para não serem derrubadas pelos pequenos (ou até mesmo pelo vento).

Para manter a segurança do bebê, é importante analisar a casa como um todo e fazer todas as modificações necessárias no ambiente para ter certeza de que seu lar doce lar não oferece perigos o seu bebê. Além disso, não deixar o pequeno sozinho e estar sempre atenta aos seus movimentos é outro ponto importante para prevenir acidentes.

Tem mais alguma dica para compartilhar em relação à segurança do bebê? Deixe nos comentários!

7 riscos de segurança para seu bebê

Bebês são naturalmente mais sensíveis do que adultos. A pele deles é fina, seu sistema imunológico é vulnerável e o organismo não suporta temperaturas elevadas demais e nem temperaturas excessivamente baixas. Para completar, à medida que o tempo avança e os sentidos se desenvolvem, os bebês tornam-se mais curiosos. Só que é nessa fase que entra em questão uma limitação infantil própria da idade: os bebês ainda não se comunicam verbalmente. Assim, eles ficam ainda mais expostos a perigos, já que correm o risco de engolir objetos, mas ainda não conseguem falar o que aconteceu. Esse é só um exemplo, dentre tantos casos que acontecem diariamente.

Como você bem sabe, bebês são completamente dependentes de seus pais, ou seja, você tem um papel extremamente importante no desenvolvimento do seu filho e na preservação da segurança dele. Para te ajudar nessa tarefa, listamos os principais riscos que ameaçam a saúde, segurança e bem-estar dos pimpolhos. Alguns desses perigos, os papais e mamães nem se dão conta, pois parecem inofensivos!

 

Desmame precoce

Por motivos diversos, como baixa produção de leite ou desconforto na hora da amamentação, muitas mães decidem suspender o aleitamento, no entanto, isso representa um perigo para o desenvolvimento dos pequenos, já que a ausência de leite materno pode deixar o sistema imunológico das crianças mais vulnerável.

Vale ressaltar que a amamentação até que o bebê complete, pelo menos, seis meses, traz benefícios psicológicos e físicos tanto para a mamãe, quanto para o bebê. Além disso, diminui consideravelmente o risco de desenvolvimento de problemas como diabetes, eczema, diarreia, alergias, obesidade, hiperatividade, infecções urinárias e alergias. Sendo assim, a menos que as mães tenham alguma doença que as impeçam de amamentar, o aleitamento é essencial. No caso de impossibilidade, é preciso conversar com o pediatra e descobrir como deve ser feita a alimentação/suplementação da criança.

Berço cheio de objetos

Berços enfeitados podem ser lindos, mas também representam um perigo iminente para os bebês, especialmente quando os objetos são macios, como as pelúcias, almofadinhas e rolinhos. Ao optar por esses artigos, a intenção dos pais é, normalmente, deixar o quarto mais bonito e aconchegante, porém, a escolha mais segura e confortável para a criança é deixar o berço livre, pois assim, não há risco de sufocamento.

O uso de protetores de berço também não é indicado pela Sociedade Americana de Pediatria, já que o bebê pode entrar debaixo do protetor e sufocar. Cumpre ressaltar que o excesso de objetos também pode viabilizar que bebês prestes a completar um ano, escalem o berço e sofram alguma queda.

 

Não travar o cinto do bebê conforto

A cadeirinha/bebê conforto é essencial para a preservação da segurança das crianças, mas para que esse elemento realmente ajude a manter seu filho seguro, é indispensável que a cadeirinha seja instalada da forma correta. Além disso, os papais zelosos não devem se esquecer de travar o cinto de segurança da cadeirinha, caso contrário, o bebê poderá cair.

A mesma dica vale para os carrinhos de passeio. Por falar em carro e em passeio, para impedir a fatalidade de esquecer o bebê dentro do veículo, sempre o coloque no meio do banco de trás. Assim você vai ver seu filho através do espelho e corre menos risco de sair sem levá-lo.

 

Miudezas em lugares baixos

Objetos muito pequenos em lugares baixos também representam um perigo para os bebês, especialmente quando eles começam a engatinhar. Para impedir que a criança engula e engasgue com brinquedinhos, botões, moedas ou até mesmo enfeites de cabelo, é crucial que os objetos menores não fiquem guardados em locais acessíveis para crianças.

Mesmo que seu bebê ainda seja de colo, já comece a mudar os hábitos em casa. Enquanto o baby estiver dormindo, faça uma triagem nos cômodos da residência e transfira as miudezas para lugares mais altos. Todo cuidado é pouco!

 

Dormir com os pais

Não use a justificativa de que o bebê não se adapta ao berço para poder levá-lo para a cama com você. Na verdade, as mamães acham mais cômodo ter o filho por perto na hora das mamadas, porém, a prática de colocar o bebê para dormir entre os pais também é perigosa.

Os adultos também dormem e, inconscientemente, podem rolar e acabar sufocando a criança. Além disso, a cama não é um móvel ergonomicamente pensado para o bebê, ao contrário do berço, que alia características como conforto e segurança para o público na primeira infância. Cumpre salientar que a posição mais segura para os bebês dormirem é de barriga para cima.

Usar andador

Permitir o uso de andador também é um erro grave que pode ameaçar a segurança do pequeno. Não é à toa que esse objeto já foi proibido em alguns países, além de ser contraindicado pela maioria dos pediatras brasileiros. O andador pode causar acidentes, principalmente quedas, por conta da velocidade acelerada. A queda pode até não ter desdobramentos graves, mas pode também causar luxações, lesões e traumatismos. O andador também pode atrasar os primeiros passos autônomos da criança, já que a deixa insegura para andar sozinha.

Roupas de má qualidade

Você sabia que até mesmo o vestuário pode ameaçar a segurança dos pequenos? Tecidos de má qualidade podem provocar alergias, além disso, roupas com acessórios de plástico ou elementos têxteis com chumbo também comprometem a saúde e bem-estar da criança.

Só para se ter ideia, nos Estados Unidos, entre 1985 e 2011, aconteceram 11 casos de acidentes relacionados ao vestuário infantil, seja estrangulamento, engasgamento ou sufocamento. Aqui no Brasil, recentemente foi publicada a Norma ABNT NBR 16365/2015 voltada para a segurança na moda infantil. A norma alerta para a não inclusão de cordões maiores que 5cm, botões e apliques fáceis de soltar e etiquetas costuradas com fios de poliamida nas roupas de crianças. Portanto, compre apenas roupas de qualidade e de marcas reconhecidas para os seus pimpolhos.

No mais, à medida que o bebê for crescendo e a partir do momento em que a criança começar a andar, adote novos cuidados, como colocar protetores nas tomadas, investir em telas de proteção para as janelas e piscinas, guardar produtos de limpeza e remédios em lugares altos, comprar brinquedos com o selo do Inmetro e sempre levar em conta a faixa etária indicativa antes de adquirir novos jogos e bonecos. E então, você toma esses cuidados para manter o seu pequeno sempre seguro? Compartilhe sua experiência com a gente através dos comentários!